quarta-feira, julho 12, 2006

Para o povo sobejarão alguns cêntimos?















Ontem e hoje, vieram à estampa diversas notícias através dos meios de comunicação social que merecem a nossa reflexão.

1) Bancos portugueses lucram mais de 4 milhões por dia (ganhos cresceram 30% num ano), de acordo com os dados oficiais do sector, disponibilizados pela Associação Portuguesa de Bancos (APB), no seu boletim informativo.

2) Ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, assegura que os portugueses vão continuar a "apertar o cinto". Razão invocada: "reduzir o défice até 2008 para um valor abaixo dos 3 por cento - estando agora nos 6 por cento - vai continuar a exigir sacrifícios de todos os portugueses". A afirmação foi feita pelo ministro no final da reunião dos ministros da finanças da União Europeia em Bruxelas.

3) Câmara de Lisboa gasta só com acessores, segundo o Correio da Manhã 3,1 milhões de Euros/ano. De acordo com informação da TSF, 8 milhões. A Câmara Municipal de Lisboa nega a veracidade da informação.

4) No debate sobre o "estado da Nação", o primeiro-ministro português, José Sócrates, disse esta quarta-feira no Parlamento que a economia portuguesa "conseguiu inverter a tendência e regressou finalmente a uma trajectória positiva de crescimento".

Com toda a sinceridade, eu gostaria de comentar, mas a verdade é que prefiro ficar pelo título deste post "para o povo sobejarão alguns cêntimos?" e deixar a cada um de vós a possibilidade de opinar. Que acham de tudo isto?

2 comentários:

Luisa disse...

Por um lado, o Governo parece que vai pelo bom caminho fazendo reformas estruturais. Por outro, essas reformas não atingem os mais ricos (por exemplo, os Bancos), mas sim os que menos têm. Penso que não vai sobejar nada para nós...

bitu disse...

O apertar do cinto sobra sempre para o ze povinho. Se os bancos apresentam um índice de lucros tão elevado como se justifica a subida de juros para quem faz tanto sacrificio para pagar um pequeno apartamento?